16/09/2012

Nunca desistir


Tentou vender os seus romances a mais de 50 editoras, mas sem sucesso. Um dia, a precisar de dinheiro, decidiu publicá-los em formato digital (e-book) e comercializá-los em sites como a Amazon. No primeiro dia vendeu cinco livros. No segundo, outros cinco. Hoje vende quase dez mil por dia...
Com o sucesso online começou a loucura: vários dos maiores editores americanos fizeram-lhe ofertas milionárias. Acabou por assinar um contrato de sonho, ao vender a sua trilogia por dois milhões de dólares - e pouco tempo depois uma produtora cinematográfica adquiriu os direitos para cinema.

Que máximo, hein? Foi no que pensei ao ler pela primeira vez o excerto aqui de cima. Adoraria que me acontecesse o mesmo.
O texto refere-se a uma autora recente, Amanda Hocking. Tem 26 anos. "Descobri-a" na passada sexta-feira, quando resolvi dar uma volta pela Fnac. Não estava a pensar em comprar nada, mas comecei a ler a parte de trás de alguns livros, entre os quais o dela, Trocada, que me chamou logo a atenção por ter uma capa vermelha, coisa raríssima, já que quase todos os livros têm capa preta ou azul (atenção que estou a falar dos livros do fantástico, que é a única secção que vejo). E, bem, não resisti em trazê-lo para casa.
Andei a pesquisar. Cheguei ao blog dela, mas os posts eram todos gigantescos e não consegui ler aquilo tudo. Então parti para a pesquisa do "negócio" dos e-books.
Não é nada difícil publicar um livro no formato de e-book. Dá trabalho, sim, porque a pessoa sozinha é que faz tudo. Mas faz à sua maneira. Confesso que a parte que mais me assustou foi a da capa. A pessoa tem que fazer a sua própria capa, e eu não sei fazer montagens nem nada que se pareça digno de uma capa de um livro.
Nunca tinha pensado nisso dos e-books. Estou tão habituada a ler um livro em papel, em tê-lo nas mãos, que nem me lembro que os e-books existem. Também não me parece que sejam muitas as pessoas que os preferem aos livros normais. Mas a ideia deixou-me tentada, apesar de poder vir a ser um fracasso total. Se muita gente for como eu - não gostar de ler no computador e forreta ao ponto de não querer gastar dinheiro só para ler uma coisita (no computador) -, sim, pode vir a ser um fracasso. Não sei. Não quero desistir, porque não sou pessoa de escrever para a gaveta. Não me quero gabar, mas penso que as minhas coisas não merecem ficar na gaveta. Quando era mais nova pensava o contrário, que o que escrevia era uma treta e preferia que ninguém visse aquilo. Mas agora já aprecio o que faço.
Daqui a uns dias - ou semanas ou, melhor ainda, meses, porque escrever durante horas a fio vai ser cada vez mais difícil a partir de agora - hei-de voltar a pensar nisto. Escrever é aquilo que mais gosto e, sinceramente, não me consigo imaginar noutra carreira qualquer. O grande problema é que não rende praticamente nada. Para isso, só se emigrasse para a América...

5 comentários:

  1. já me tinham falado sobre a edição de e-books e realmente fiquei a pensar durante uns instantes mas assim como tu também não sou grande amante desses e-books... lol
    mas convém lembrar que esses casos de sucesso são casos isolados e que uma pessoa não pode contar sempre com o ovo no cú da galinha :(

    ResponderEliminar
  2. Não sou fã de e-books. Não tenho paciência para ler livros sem ser em papel.
    Já ouvi falar do "Trocada" e dizem que não é grande coisa. Li um excerto e não me chamou a atenção.
    Escreve é uma das coisas que mais gosto de fazer, porém prefiro ler e criticar.
    O problema das editoras é que não apostam em livros portugueses. Muitas vezes, nem sei que certos escritores existem, porque mal se ouvem falar deles...

    ResponderEliminar
  3. olha que ainda há algumas pessoas que aderem aos e-books, porque não tentar? mesmo que venha a ser um fracasso ao menos sabes que tentaste :) é uma boa ideia sim senhora :)
    Não conhecia a autora, ela tem um blog? interessante... podias-me dar o link para eu espreitar sff? :)

    ResponderEliminar
  4. Já li o livro "Trocada" e os outros dois a seguir e amei a série, só não gostei do fim da história, mas o plano de acção e as personagens são completamente novas para mim em termos de fantasia e é muito bom lermos um livro diferente que chega a ser original e bastante interessante.

    bjs

    ResponderEliminar