11/06/2015

Escrito por mim #3 - parte 1

Como tinha dito há uns posts atrás, senti-me mesmo inspirada durante aqueles dias em que fiquei sem computador. Assim que me vi com o antigo portátil do meu namorado, e ainda com as ideias todas na cabeça, não resisti em começar a escrever. Trata-se de uma ideia que tive há uns tempos atrás, mas que ainda não tinha desenvolvido porque estava a meio de outra história, e não gosto de ter duas coisas diferentes inacabadas. No entanto, sim, acabei por desenvolvê-la, já que a inspiração bateu à porta. Mas acho que vou deixar a coisa parada por enquanto, até porque quero voltar ao meu livro, que, coitado, não é modificado desde o início de Abril (!). Para além disso, e apesar de ter toda uma história já na cabeça, não sei se irei com ela para a frente. Acho que não sou grande coisa em romances. Este texto, aliás, é tão diferente daquilo que normalmente escrevo...mas gostei de o escrever. Diverti-me. Já tinha saudades disto.
Resolvi partilhá-lo na íntegra, porque não é grande e porque, lá está, não sei se vou fazer alguma coisa com ele. Mas vou dividi-lo em partes, e só publicarei as restantes se fizerem muita questão e/ou se gostarem muito, muito. Ah, as personagens são fictícias, claro. Sem mais delongas...



- Gostava agora de chamar alguém para cantar a próxima canção comigo – disse a sedutora voz de Spencer Anderson ao microfone.
Na primeira fila, cercada pelos gritos estridentes das miúdas com os olhos borrados de eyeliner preto, Lu sentiu o coração acelerado, num misto de excitação e de receio. Se, por um lado, desejava fervorosamente não ter que passar pela experiência traumática de subir a um palco e de ter que recorrer à sua horrível voz de canto em frente a centenas de pessoas, não se importava nada de, por outro, captar a atenção de Spencer.
Claro que queria captar a atenção de Spencer. Alto, moreno, de olhos azuis cristalinos, com um sorriso de cortar a respiração, braços cobertos de emaranhados de tatuagens e voz extremamente sedutora, capaz de derreter a rapariga mais insensível e de lhe provocar arrepios, Spencer Anderson era a celebridade por quem Lu confessava, mas apenas para si própria, ter uma paixoneta. Daquelas paixonetas inocentes e completamente platónicas que toda e qualquer pessoa tem por uma celebridade. Lu sempre preferira os cantores aos actores e modelos, uma vez que, para além de terem a capacidade de fazer com que alguém se apaixonasse por eles somente através das suas vozes, de modo a que a aparência se tornasse algo secundário, considerava-os muito mais genuínos e fiéis a si próprios, ao passo que os outros dois pareciam passar a vida a interpretar personagens, a fingir ser o que não eram. E Spencer era do mais genuíno que podia haver. Nunca se importara com o que pudessem pensar da sua aparência ou da música que criava, era sincero nas suas letras e não se cansava de manifestar a sua felicidade por estar num palco perante uma legião de fãs – legião esta constituída, na sua maioria, por adolescentes histéricas, algumas das quais demasiado novas para saberem apreciar música, no meio da qual Lu se sentia um pouco à parte, ora por ser um pouco mais velha, ora por não ter um estilo extravagante que envolvesse tatuagens, cabelos coloridos ou olhos borrados de preto.
De qualquer das formas, Lu deixara de se importar com as opiniões dos outros assim que entrara pela porta do recinto do concerto. E, ali, na primeira fila, com o seu cabelo comprido completamente vulgar e com um singelo top preto e calças de ganga, Lu estava a ter uma das melhores noites da sua vida. Assim que soara a primeira canção, rapidamente se esquecera da sua aparência e da sua idade, deixando levar-se pela música, soltando-se, mexendo-se ao seu ritmo e cantando a plenos pulmões. E, claro, a presença de Spencer Anderson conseguia tornar tudo ainda mais especial.
Enquanto Spencer percorria a plateia barulhenta com o olhar, em busca da convidada perfeita, Lu perguntou-se qual seria a próxima canção. Para Spencer estar à procura de uma rapariga com quem cantar – era óbvio que seria uma rapariga, uma vez que parecia contar-se pelos dedos o número de rapazes que ali se encontrava –, supôs que, talvez, se tratasse de alguma canção romântica. Lu só pensava naquela canção romântica que era uma das suas canções favoritas da banda. Se assim fosse, pensou, uma fã escolhida aleatoriamente iria assassinar a dita canção, para além de que Lu não conseguia deixar de achar estranho que Spencer quisesse alguém ao seu lado para cantar uma canção romântica que fora escrita para a sua ex-namorada. Lu nem sequer tinha conhecimento se aquilo de chamar uma fã ao palco já tinha acontecido noutro concerto da banda. Nem tão-pouco se Spencer ainda tinha namorada – não perdia tempo a investigar a sua vida pessoal, especialmente tendo em conta que, online, era muito fácil mentir. Perguntou-se o que se andaria a passar na sua cabeça, mesmo sabendo que nunca iria descobrir.
Spencer olhou na sua direcção. Já olhara diversas vezes, a distribuir sorrisos enquanto cantava ou dizia qualquer coisa entre canções, e Lu derretera-se de todas aquelas vezes, mesmo sabendo que ele não olhava para ninguém em específico. Mas, daquela vez, Lu sentiu-se demasiado encantada, com o ritmo cardíaco ainda mais acelerado e as pernas a tremer, ao deparar-se com a sensação, estranha, deliciosa e intimidante, de ter os olhos azuis de Spencer cravados em si.
Continua...

8 comentários:

  1. Ai vais ter de publicar o resto!! Eu sou toda dada a lamechices destas :p
    Se não publicares envia-me *.*
    E tens imenso jeito para escrever :D

    ResponderEliminar
  2. Vou ser bastante sincera: quero o reeeeesto Ice :o
    Quero saber o que vai acontecer a seguir, se a Lu vai ser escolhida ou não :p
    Vá lá sim? :)

    ResponderEliminar
  3. Olá Ice! :D
    Recebi sim, estava só a tentar ter tempo para ler este teu post e responder tudo de uma vez. Ainda não li esta publicação, mas vou-te responder aos comentários:
    Sim, criticar faz mesmo parte. E por vezes nem é por mal, não é com má intenção é simplesmente porque estranhamos, porque é algo diferente do que nós usámos/faríamos. Pois, foi uma pena ser cancelada porque eu gostava mesmo do Henry :( Pois, foi isso que eu achei! No início não questionei, mas com o passar do tempo comecei a estranhar. Só me receitavam ferro, comprimidos e mais comprimidos... Eu ia tomar aquilo toda a vida e ninguém me dizia nada? Depois em conversa com uma enfermeira é que ela me disse. Abençoada seja! Senti que era falta de interesse da parte deles, não achei bonito.
    Que coisa horrorosa de se dizer, bolas. Essa médica foi mesmo feita para cuidar de pessoas, not!
    Por acaso não sei, mas sempre pensei que medicina legal fosse uma especialização de medicina tal como as outras.

    R2: Eu também gostava de carne branca e de peixe. A minha transição foi gradual por causa do problema da anemia e porque eu gostava das coisas. Carne vermelha nunca gostei, só comia porque era obrigada então deixei sem problemas. Mas tu tens outro problema: dizem que a carne dos açores é a melhor por isso é outra tentação x)
    Ainda bem que alguém - que percebe disto! - diz que é possível ter uma alimentação equilibrada enquanto vegetariano. É mesmo difícil encontrar pessoas como tu. Já começam a aparecer algumas nutricionistas vegetarianas mas ainda são poucas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E fizeste muito bem, Ice, porque podia realmente ter acontecido alguma coisa ao comentário e eu não o queria perder. Só que eu como tenho tido muito pouco tempo para estar cá, publico os comentários mais pequenos, que não requerem resposta no blog dos comentadores e deixo os outros para conseguir responder com mais cabeça :)

      R: Ele já tinha 93 anos. Ele era qualquer coisa de fenomenal. Era fluente em 7 línguas, lançou um album de heavy metal em 2014 (se nao estou em erro), leu o Senhor do Anéis 11 vezes e conhecer o J.R.R.Tolkien. Fiquei mesmo triste pela morte dele, perdeu-se imenso conhecimento :(
      Ahh, agora percebi. E sim, compreendo, talvez faça sentido ser um curso à parte. Mas como não tenho conhecimento nenhum sobre esses cursos nem posso argumentar sobre o que faz sentido ou não x)

      Eliminar
    2. Ora bem já li e... Por favor coloca aqui o resto! Quero saber o que vai acontecer. Será que que ele está MESMO a olhar para ela? Será um desilusão para ela? Qual é a canção? Ui, se a ex namorada entra em cena eu passo-me! x)

      R: É não é? Um vez li um blog (já nem me recordo do nome) que me cativou e então, fui daquelas leitoras stalkers, que vão ler tudo para trás. E a moça, juro-te, estava sempre feliz com a vida, com tudo! Eram só sorrisos todos os dias, gargalhadas, histórias bonitas. E aquilo irritou-me, que não segui mais. É impossível alguém ser assim, pelo menos eu acho!

      Eu também acho que nos íamos dar bem, pelo menos a pessoa que demonstras ser no blog encaixa comigo. :D E as duas outras meninas também!

      Eliminar